8 de mar de 2011

Resenha: 'Vida de Droga'

Olá gente!
Outro livro lido, outra resenha. Será sempre assim ^.^
A resenha que trago à vocês hoje, é do livro Vida de Droga, de Walcyr Carrasco.


Sinopse:
   Dora tem tudo o que deseja e nenhuma preocupação, até que um dia o dinheiro da família acaba e ela é obrigada a mudar para a periferia. O choque com a mudança, as brigas familiares, os novos amigos, entre outros motivos, levam-na para o universo das drogas.
  Unindo a curiosidade de experimentar novas sensações ao desejo de ser aceita pelo grupo, Dora começa a fumar maconha, e depois passa a consumir outras drogas-rumo a um caminho de degradação e perigo, que, por muitas vezes, parece sem retorno. Será preciso muito esforço, ajuda e paciência para ela conseguir superar o vício e começar uma nova vida.
Editora: Ática.
Autor: Walcyr Carrasco.
Ilustrador: Rogério Vilela
Nota: 10
Resenha:  [SPOILERS!]
  O romance todo tem como base a vida da protagonista, Dora que, como citado anteriormente, tinha tudo: Roupas de grife, carros importados, relógios caríssimos, ou seja, tudo que uma adolescente desejaria ter.
  Os problemas vão se formando como uma bola de neve: O pai é demitido e com isso, os pais se separam. O pai passa a viver na Amazônia e a mãe na periferia, com os dois filhos, Dora e André.
  O livro trata sobre um  assunto muito comum entre jovens, antes mesmo de citar as drogas, como assunto principal: A demonstração de status, que se baseada nos acontecimentos da vida dos jovens, pode ser definida assim: Você faz de tudo para se adequar a um grupo. Na minha escola por exemplo, a maioria das meninas veste marcas caras como Abercrombie e Fitch ou Hollister, ou seja, se você quer se parecer com alguma delas ou "ser amiga delas" você precisa se vestir, agir, falar como elas e etc.
As drogas surgem devido ao fato de para a Dora ser aceita no grupo de sua nova escola, ela precisa fumar.
Há também o fato de que a pressão que ela sofre é enorme. É quando você não quer fazer algo e seus "amigos" insitem, dizendo: "Vai me dizer que está com medo?", "Não vai acontecer nada, é só uma tragada. Ninguém se vicia com uma só." (frase parecida com uma do livro). Dora experimenta e se vicia, porém ela pensa "Eu posso parar quando quiser." e depois que ela percebe que não consegue parar, se dá conta de que é uma viciada e que precisa de ajuda. Porém ela não aceita ajuda facilmente.
  Resumindo: Ela se droga, porém precisa de dinheiro. para obter o dinheiro, ela se prostitui. É internada uma vez e volta para as drogas uma semana depois. É internada pela segunda vez e finalmente, se livra das drogas.
  Walcyr Carrasco consegue descrever as sensações de uma forma tão clara, que eu fiquei agoniada ao ler o livro, pois Dora não reconhece que precisa de ajuda, ou seja ela cria uma barreira entre ela, as sensações das drogas e seus "benefícios" e o fato de sua família inteira estar querendo ajudá-la. Ela não aceita ajuda porque acha que pode parar quando quiser, mas não é assim.
  O próprio livro diz, que quando uma pessoa é drogada, ela é doente, e precisa de um tratamento.
  Eu não saberia em que posição me colocar, se soubesse que um filho (a) é drogado (a). Eu procuraria tratamento sim, mas analisando a situação pela primeira vez eu ficaria pasma e não saberia o que fazer.
  Deixo claro: Dora não é burra por não aceitar ajuda. Ela foi mal instruída durante sua vida inteira, pois ninguém pode imaginar que um dia é rico e no dia seguinte pobre. Isso acontece, mas não tem como prever isso.

Comentários finais:
É um ótimo livro. Bem escrito com uma história muito bem planjeada. Walcyr não é muito detalhista, o que torna a leitura mais rápida. Indico esse livro à vocês.
É um assunto delicado, polêmico e que infelizmente está na vida de muitos (as) jovens. Não é porque esse assunto é polêmico, que deve ser omitido. É a mais pura realidade.
Beijos e fica a dica!



Nenhum comentário: